sexta-feira, 5 de março de 2010

CIÊNCIA E RELIGIÃO NO CSI




Gosto de assistir CSI, a série televisiva criada por Anthony E. Zuiker. Desde que a série estreou-se no Brasil, vejo seus episódios quando posso. Ontem a TV Record veiculou um dos episódios, que originalmente chamava-se Alter boys (transmitido nos EUA originalmente em 1° de Novembro de 2001 e pertencente à 2ª Temporada, sendo o seu 6° Episódio).

A trama principal acompanha Ben Jennings (Corbin Allred), suspeito de assassinato. O garoto foi flagrado enterrando uma das vítimas, e havia sangue delas em seu carro.

Porém, desde o começo, o Padre Powell (Dylan Baker) avisa o CSI-mor Gil Grissom (William Petersen) de que Ben é um bom garoto; com o tempo, Grissom e sua equipe passam a suspeitar de que o suspeito está, na verdade, encobrindo seu irmão, o ex-detento Roger Jennings ( Jeremy Renner).

Nesse clima, Grissom faz referência a Tomé, que segundo ele seria o percussor do empirismo. A ideia não deixa de ser interessante e até corrobora com a certeza posterior, advogado por Tomé, da ressurreição de Jesus – o que prova que a Ressurreição resistiu (e ainda resiste) a qualquer análise de evidências históricas.

Mais para o final, há um diálogo entre Grissom e o Pe Powell, em que o investigador reflete sobre a natureza comum ao trabalho de ambos – atuar depois do crime (ou “pecado”, como corrige o sacerdote). Powell apela ao seu interlocutor, dizendo que um dia não haverá mais cadeias e o convida para a missa. Grissom declina, dizendo crer em Deus e na Ciência, não na religião, reflexo comum à postura pós-moderna. Grissom responsabiliza a Religião por ter matado em nome de Deus. O padre retruca – não era religião, mas fanatismo. “Retórica vazia. Diga isso para as pessoas que morreram”, fulmina o líder da equipe CSI.

O padre termina refletindo que o investigador ainda sofre como um católico: “Quando a lâmpada de alguém queima, ele vai e compra outra; quando a lâmpada de um católico queima, ele se pergunta sobre o que deu errado.” Uma maneira no mínimo curiosa de ilustrar a relação entre Catolicismo e culpa – raiz das penitências e sacrifícios, que obliteram o oferecimento da Graça feito por Jesus.

Muitas pessoas racionais e instruídas, como a personagem Grissom, estão em busca de uma conciliação entre Ciência e Religião. E tal coisa é possível, dependendo apenas de um pressuposto adequado, o qual encare a verdade como um todo unificado. Creio que as pessoas honestas chegarão a essa base, para poderem continuar satisfatoriamente em suas buscas.

2 comentários:

Anônimo disse...

É interessante notar que, sendo os E.U.A. um país predominantemente protestante, a grande maioria de séries e filmes de hollyhood, quando mostram personagens religiosos, esses são católicos. Dificilmente se vê um pastor protestante ou um personagem principal que pertença a uma igreja protestante.

Marco Aurélio.

Thiago disse...

Eu vi essa parte do episódio!!
Não costumo assistir "CSI" e nem televisão... rsrs... Mas nesse dia liguei e vi exatamente a parte final, o dialogo entre os dois sobre a religião!! Achei um tanto quanto intrigante!rs